sexta-feira, 14 de abril de 2017

Lava Jato: Wagner reclamava de demora das 'contribuições' da Odebrecht, diz delator

Foto: Max Haack / Bahia Notícias

Wagner e Lula são suspeitos de receber dinheiro para beneficiar Odebrecht em MP


Atual secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Jaques Wagner (PT) teria reclamado da demora das "contribuições" da Odebrecht "em algumas oportunidades". A declaração foi feita em delação premiada pelo ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, Claudio Melo Filho. O fato teria ocorrido entre 2010 e 2011 quando Wagner era governador da Bahia. Na época, ele teria recebido R$ 7,5 milhões de reais da companhia, segundo o delator. Sem foro privilegiado, as petições que envolvem o nome do titular da SDE serão conduzidas pela Justiça Federal do Paraná, a cargo do juiz Sérgio Moro

Foto: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias


O secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Jaques Wagner, e o ex-presidente Lula podem ser investigados no mesmo inquérito por suspeita de intervirem em favor da Odebrecht na Medida Provisória 703/15. As informações constam na petição enviada pelo Ministério Público Federal ao relator dos processos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin. Os autos, no entanto, foram enviados pelo ministro à Justiça Federal do Paraná, já que a dupla não possui mais foro privilegiado. De acordo com as delações de Cláudio Melo Filho e de Emílio Odebrecht, presidente da empreiteira e pai de Marcelo Odebrecht, Lula e Wagner empreenderam tratativas para a “edição de legislação que possibilitasse a celebração de acordo de leniência entre o Poder Executivo e pessoas jurídicas envolvidas em infrações sem contar com a intervenção do Ministério Público”. As negociações resultaram na edição da MP 703/15. Wagner é citado em outra petição por supostamente ter recebido US$ 12 milhões em vantagens indevidas (veja aqui). Neste caso, os autos foram remetidos à Procuradoria da República na Bahia e também à Justiça Federal da Bahia.

  (Brasil Paralelo O filme) conteúdo gratuito episodios 1 ao 4 completo


Autor de denúncias que originaram Lava Jato vive escondido no exterior e teme represália

Foto: Reprodução / TV Globo

Hermes Magnus, empresário que fez as primeiras revelações à Justiça que levaram à Operação Lava Jato, atualmente vive escondido no exterior e com medo de sofrer alguma represália por ter sido o responsável pelo início das investigações contra alguns dos principais políticos do Brasil. Em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, ele relatou que já sofreu ameaças, como no episódio em que teve uma casa incendiada, em Santa Catarina. "Temo pela vingança, talvez nem diretamente dos políticos, mas desse baixo clero, de toda essa máfia que que tem, que está aí morrendo, que vai morrer de inanição por falta do dinheiro da corrupção", disse Magnus. O empresário afirma que passou a ter relações com Alberto Youssef em 2008. Segundo ele, o doleiro passou a investir um montante acima do normal na sua empresa. "Não houve uma folha de pagamento que tivesse sido paga via banco. Dinheiro vivo. E eu consultei pessoas que conheciam e que disseram: 'olha, você está lavando dinheiro para alguém, acho bom você tentar sair dessa’", lembra. Magnus enviou um e-mail com as suspeitas ao juiz federal Sérgio Moro, que encaminhou o caso às autoridades policiais. "Até que em 2014 acontece a Lava Jato. E eu vejo pela TV todas as figuras que eu conheço, algumas eu conheci na casa do Janene, eu conheço essas figuras todas andando algemadas em direção ao camburão, aí eu lembrei do juiz", declarou ao Bom Dia Brasil.

Sindjufe-BA pede que tribunais devolvam imposto sindical descontado de servidores

Foto: Paulo Victor Nadal/ Bahia Notícias

O Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário Federal na Bahia (Sindjufe-BA) enviou um requerimento aos quatros tribunais do Poder Judiciário Federal para que seja suspenso a cobrança de imposto sindical a servidores. O sindicato enviou o requerimento no último dia 7 de abril e pede que, caso o imposto já tenha sido descontado, que seja feita a devolução. A entidade sindical se baseou na portaria 421, expedida pelo ministro do Trabalho e Emprego e publicada no Diário Oficial da União, no dia (5) de abril, que dispõe sobre a suspensão da cobrança sindical dos servidores e empregados públicos. O Sindjufe se diz contrário a cobrança do imposto sindical pago pelo trabalhador, uma vez por ano, por entender que o mesmo compromete a independência dos sindicatos de patrões e governos e é mais um imposto a pesar no bolso dos trabalhadores.

PGR: Chance de Temer ignorar lista para sucessão de Janot irrita procuradores, diz coluna

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

A possibilidade do presidente Michel Temer ignorar a lista tríplice indicada pelo Ministério Público Federal para suceder Rodrigo Janot como procurador-geral da República provocou uma reação negativa entre representantes do setor. De acordo com informações da colunista Mônica Bergamo, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) alertou que a escolha do sucessor de Janot por meio de "conchavos palacianos" criariam "uma crise institucional". A nota assinada pelo presidente da ANPR, Humberto Jacques de Medeiros, diz ainda que "a defesa do regime democrático que a Constituição confia a todos os membros do Ministério Público [...] não consente a colocação de pessoas acima de instituições, nem de nomes à margem de eleições". Ainda segundo Mônica Bergamo, Janot já conversou com Temer sobre sua sucessão, mas não se posicionou sobre a possibilidade de acontecer uma nomeação fora da lista tríplice.

Vídeo: O mundo nunca viu nada parecido! 'Lula, O Pai dos Pobres, na Verdade era a Amante dos Ricos' "Frota"

Lula à venda


Eliane Cantanhêde, do Estadão, disse que a Odebrecht não comprou o mandato de Lula, e sim o próprio Lula.
Leia aqui:
O ex-presidente Lula tem razão ao dizer que "cai a máscara” de todo o mundo político, porque tudo é realmente esclarecedor, além de estarrecedor, nas delações da cúpula da Odebrecht. Mas que adjetivo usar para a “conta Amigo” da Odebrecht? Era uma saco sem fundo, um cartão pré-pago em favor de Lula e gerenciado pelo ex-ministro Antonio Palocci.
Na versão de Marcelo Odebrecht, tanto para o juiz Sérgio Moro quanto para os procuradores, eram R$ 40 milhões à disposição de Palocci, o “Itália” das planilhas, que enviava emissários com sacolas para sacar R$ 1 milhão, R$ 2 milhões, R$ 3 milhões – em espécie!
Mesmo quando entravam em campo ministros como Guido Mantega e Paulo Bernardo, quem dizia “sim” a operações, negociatas, pagamentos e saques era Palocci. Está claro que ele agia como tesoureiro pessoal de Lula. E, aliás, jamais revelou quem era o proprietário real do apartamento de R$ 7 milhões que foi o pivô de sua queda da Casa Civil.
Nos demais envolvidos, havia caixa 2 e/ou relação de causa e efeito entre doações de campanha e favorecimento à empresa em licitações ou votações no Congresso, mas Lula tinha um tratamento muito diferenciado, com um saldo livre, independentemente de campanhas, mais uma ajudazinha para seu filho, seu irmão, seu sítio... A Odebrecht comprou não um mandato, mas o próprio Lula.

LULA 2018? Petista acha que vai estar solto para disputar eleições de 2018... O Perigo da Pls280   





Com a comprovação da delação do fim do mundo, agora é a hora, de Dilma, Lula e quem segura a bandeira vermelha mostrarem a indignação e gritar contra a justiça. O filho do Lula pode reagir contra o que eles chamam de mentira. Magno Malta, que há tempo denuncia estes crimes, afirma que as provas​ consistentes mostram que o Brasil está convencido que finalmente a casa caiu. Veja o vídeo gravado hoje e massificado nas redes.

"Léo Pinheiro será contundente"


O Globo confirma que, depois da delação do fim do mundo, vem a delação do fim do Lula:
"Mais uma leva de depoimentos vai continuar a sacudir o mundo político. E os tremores também vêm da Bahia: vinte executivos da construtora OAS estão negociando os termos de uma colaboração premiada com a Justiça. Segundo relatos do meio jurídico, o ex-presidente da empreiteira, Léo Pinheiro, será contundente".

Luleco: "Entre R$ 50 mil e R$ 60 mil mensais por três anos"


Luleco recebeu pelo menos 1,8 milhão de reais da Odebrecht.
É mais do que a maioria de deputados e senadores.
De acordo com o Valor, Emílio Odebrecht “declarou que a empreiteira de que é dono pagou entre R$ 50 mil e R$ 60 mil mensais para a empresa Touchdown, criada por Luis Claudio Lula da Silva, filho caçula de Luis Inácio Lula da Silva, por três anos, até 2014”.


"Negociem, mas é para dar"



A verdadeira biografia de Lula foi publicada nesta sexta-feira, em O Globo.
O Lula pelego:
Além de relatar pagamento de despesas pessoais de Lula, mesada para um irmão e contribuições para um filho do ex-presidente, os donos da Odebrecht delataram à Lava Jato que tiveram ajuda dele no movimento sindical.
“Ele (Lula) criou as condições para que eu pudesse ter uma relação diferenciada com os sindicatos”, contou Emílio Odebrecht, ao revelar que conheceu o petista no fim da década de 70 e que o então sindicalista do ABC Paulista o ajudou a conter greve de empregados da construtora na Bahia.
O Lula bon vivant:
Um dia, quando já era real a chance de Lula se eleger, o empreiteiro procurou o petista e ele garantiu que não estatizaria o setor petroquímico.
O empresário relembra uma conversa com o general Golbery Couto e Silva sobre Lula para dar sua visão sobre o ex-presidente: “Emílio, Lula não tem nada de esquerda. Ele é um bon vivant” (teria dito o general).
O Lula negociante:
Com Lula instalado no Planalto, Emílio tinha a liberdade de ir até o presidente e reivindicar que negócios feitos pela Petrobras em prejuízo da Braskem fossem desfeitos, o que acabou acontecendo. Em outro momento, foi a Lula impedir que a Petrobras comprasse os ativos da Petroquímica Ipiranga, o que detonaria os planos da subsidiária da Odebrecht de espraiar seus mercados.
O Lula milionário:
As ajudas de Lula a Emílio foram recompensadas não apenas com as doações, que Emílio garantiu que ocorreram por meio de caixa um e caixa dois: “Fique certo: Lula não conversava comigo sobre isso, sobre os valores. Mas quero deixar uma coisa muito clara. Eu quando falava com (Pedro) Novis (presidente da Odebrecht antes de Marcelo Odebrecht assumir) e com Marcelo eu não dava a opção de dar ou não dar. Eu dizia: negociem, mas é para dar”.

Fonte O Antagonista


Penga, um elemento de alta periculosidade! Assassino de Felipe Yves mantinha cemitério com ossadas humanas de desafetos

Foto: Divulgação / DHPP

Duas ossadas humanas foram encontradas em um terreno, na Fazenda Independência, nessa quinta-feira (13). O local é usado pelo traficante Raílson Couto dos Santos, o Penga, de 22 anos, como “cemitério” para os desafetos assassinados por sua quadrilha. Conhecido como o Dez de Ouros do Baralho do Crime, da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), Penga teve seu mandado de prisão temporária cumprido na manhã de quarta (12), em uma pousada, em Paripe. Ele é um dos responsáveis pela morte do compositor Felipe Yves, morto no dia 6 de março, na Fazenda Grande I. Também acusada por esse homicídio, Vanessa Costa dos Santos, 20, foi presa no Loteamento Fazenda Independência, em Cajazeiras XI. Ela foi indiciada por co-participação no assassinato por ter servido de isca a fim de atrair Yves para o local do crime. "Vanessa atuava como "olheira" do bando e se relacionava com um comparsa de Penga", explicou o delegado Guilherme Machado, coordenador da 2ª Delegacia de Homicídios (DH/Central). Na operação, a polícia prendeu ainda Carlos Santana Anunciação, o Buza, de 31 anos, e Fábio Alves da Silva, 23. Todos eles fazem parte da quadrilha de Penga e foram autuados por associação com o tráfico de drogas. Fábio vai responder também por porte ilegal de arma, já que portava um revólver calibre 38 no momento da prisão. Com a descoberta do "cemitério", equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) continuam as buscas por mais evidências na localidade.

Cristiano Ronaldo teria pago R$ 862 mil para jovem não revelar estupro, diz revista


O jogador português Cristiano Ronaldo teria pago cerca de R$ 862 mil para uma jovem não revelar um caso de estupro ocorrido em junho de 2009. De acordo com a revista alemã Der Spiegel, o atleta e a mulher assinaram contrato em que ela se comprometia a ficar em silêncio. Ronaldo teria tido uma relação sexual sem consentimento com ela em um hotel da cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos. O advogado do jogador, Johanes Kreile, disse que as acusações "devem ser rechaçadas contundentemente porque são incorretas". Outro responsável pelos assuntos legais de Ronaldo, o advogado Carlos Osório, teria firmado o acordo com a jovem em janeiro de 2010. Além de manter silêncio sobre o caso, a mulher se comprometeria a eliminar qualquer prova que pudesse comprometer o atacante do Real Madrid. Ainda de acordo com a publicação alemã, a mulher chegou a denunciar o abuso sexual à polícia de Las Vegas no mesmo dia do crime, mas não chegou a citar o nome de Ronaldo, restringindo-se a dizer apenas que o responsável pelo caso era uma figura pública e um atleta.

Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB) pediu R$ 30 milhões à Odebrecht via caixa 2, diz delator

Foto: Orion Pires / G1

Embora aparente ter distribuído dinheiro deliberadamente para vários políticos, a Odebrecht cogitou não repassar nada ao ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB). Isso porque durante sua campanha para o governo do Pará, em 2014, o então candidato teria solicitado R$ 30 milhões à empreiteira. Em delação premiada, o executivo Mario Amaro da Silveira explicou como ocorreu a negociação. "O Helder Barbalho comentou que conhecia a atuação da empresa e que ele tinha um grave problema de saneamento no Pará, que seria uma das prioridades dele, e cogitava adotar uma solução privada. (...) E ao final dessa conversa, eles explicitaram as dificuldades econômicas da campanha e fizeram um pedido de R$ 30 milhões. E falei: 'Vou levar isso até a nossa presidência lá por dever de ofício, mas acho que é uma coisa totalmente fora de cogitação'", contou Silveira. De acordo com o depoimento do executivo, o valor foi sendo gradualmente reduzido ao longo da conversa até chegar a R$ 5 milhões. A Odebrecht, então, acabou repassando R$ 1,5 milhão para a campanha do peemedebista via caixa dois. "A gente até cogitou de não dar nada, um cara que pede R$ 30 milhões, né, mas depois, o Fernando [o ex-presidente da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis] falou assim: 'Vamos oferecer o que a gente tem conta de oferecer'", relatou. De acordo com Reis, a contribuição foi "pedida como caixa dois e feita como caixa dois". O dinheiro teria sido repassado em três parcelas. Barbalho, que era nomeado como "Cavanhaque" no esquema de propinas, negou que tenha cometidos tais irregularidades. Segundo informações de O Estado de S. Paulo, o chefe da Integração Nacional declarou que todos os recursos que recebe para sua campanha em 2014 foram registrados no Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA), que aprovou todas as contas.

Lula em pânico! PT monitora Palocci e Vaccari para evitar delações


O desespero do PT


Com o objetivo de evitar novas delações, a cúpula do PT vai monitorar ainda mais de perto a situação de aliados presos, como o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-tesoureiro do partido Vaccari Neto, informa a jornalista Andréia Sadi em seu blog, no G1. Os dois conhecem como poucos o funcionamento da legenda e podem corroborar relatos de delatores da Odebrecht. Na última semana, um dirigente petista visitou José Dirceu e Vaccari e relatou à direção da sigla uma situação “sob controle”. O argumento utilizado pelos petistas, em conversas com o ex-tesoureiro, é de que os partidos da base e oposição ainda articulam no Congresso o “acordão” para anistiar o caixa 2. *Bahia.ba

Comportamento: Ex-pastor que virou morador de rua tenta se livrar do vício das drogas

(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O úmero de moradores de rua em Araguaína, norte do Tocantins, chama a atenção. Segundo um levantamento feito pelo Sistema Único de Assistência Social do município, são cerca de 100 pessoas. Um deles é Fernando Ribeiro. O ex-pastor, que também era empresário, está há mais de um ano morando nas calçadas do segundo município mais populoso do estado. Apesar do sofrimento, ele tem esperança de se reerguer. A avenida Filadélfia virou moradia para Fernando. Ele vive nos arredores do local há mais de um ano. Tudo começou depois que ele se separou da ex-mulher. O ex-pastor conta que entrou em depressão e caiu no mundo das drogas. A empresa que ele tinha no ramo de transporte também não deu certo.

(Foto: Reprodução/TV Anhanguera)


As unhas e os pés encardidos por tanto sofrimento ganham quase nada da atenção de quem passa. E em meio a solidão, o ex-pastor encontra conforto na música. Ele toca violão e relembra os hinos que cantava na igreja. “São poucos os amigos que param para conversar. E antes eu tinha muitos amigos. Mas muito mesmo”. Apesar de todo sofrimento, ele mantém a esperança e a fé. “Mesmo eu ter perdido, minha empresa, perdido casa, esposa, Deus me deu a felicidade de ter uma esperança. Eu espero que Deus me tire das ruas, me liberte das drogas e me faça pastor Fernando, o cantor, o pregador, o discípulo de Jesus”.

A maior parte dos moradores de rua é da própria cidade. “Há um trabalho minucioso que requer tempo, não há algo que tenha uma solução prévia, porque temos que considerar o contexto sociai daquela pessoa, daquela família, e isso leva tempo”, diz a coordenadora do Sistema Único de Assistência Social do município, Isabel Cristina Maranhão. Muitos são envolvidos com as drogas e com o álcool. Para retirar tanta gente da rua, o trabalho não é simples. Araguaína ainda conta com o auxílio principalmente de voluntários. Há também uma comunidade terapêutica mantida pela prefeitura e uma igreja. O pastor Antônio Silva também mantém um trabalho numa chácara através de doações onde já conseguiu tirar do mundo das drogas mais de 50 pessoas. Ao todo, 25 estão em tratamento hoje.

O PT não tem jeito! Denunciado ao MP por improbidade, ex-prefeito de Serrinha Osni Cardoso Araújo ganha cargo no governo

Foto: Manu Dias/GOVBA

Osni Cardoso Araújo (PT) vai ter que devolver R$ 1 milhão aos cofres públicos


O ex-prefeito de Serrinha Osni Cardoso Araújo (PT) foi nomeado assessor especial, símbolo DAS-2A, do governador da Bahia, Rui Costa (PT), conforme publicação no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (12). Ainda este ano, o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) decidiu apresentar denúncia ao Ministério Público Estadual (MPE) contra o ex-gestor. Ele, que foi acusado de improbidade administrativa na contratação direta do escritório Nogueira Santos Advogados Associados e do advogado Jerônimo Luiz Plácido de Mesquita, para a prestação de serviços de assessoria e consultoria jurídica, no exercício de 2015, vai ter que devolver R$ 1 milhão aos cofres públicos.

O ex-prefeito de Serrinha, Osni Cardoso (PT), nome especulado e cotado para atuar em vários espaços no Governo do Estado, foi nomeado e passa a compor a equipe de assessores especiais, a convite do próprio governador.


Bahia: Quadra de esportes está abandonada em Filadélfia e a de Espanta Gado em Queimadas, sequer foi concluída!

Foto: Reprodução/Filadélfia em Notícias

Uma quadra coberta para a prática de esportes que está totalmente abandonada e vem sendo depredada por marginais em Filadélfia. O espaço deveria ser utilizado pelos jovens estudantes da Escola Municipal Alice Lopes Maia, porém está servindo de banheiro, local de prostituição, e boca de fumo. Até o alambrado que separa o campo dos torcedores está destruído. A quadra foi recentemente inaugurada e encontra-se em situação de total abandono.

Comentário: Se a quadra de Filadélfia está abandonado, pior é a de Espanta Gado, que sequer foi concluída! Está abandonada, pela metade, uma estrovenga no meio da praça, envergonhando os moradores do povoado. Gostaríamos de saber da Câmara de Vereadores e Ministério Público de Queimadas, como também as comissões de esporte, cultura e lazer ou de educação do município, que providência vão tomar e se os culpados por essa patacoada, ficarão impune, sem prestar conta da grana e nem se explicarem ao povo de Queimadas? E ai vereadores e promotor, como isso vai ficar? É só deixar uma obra ridícula dessas no meio da praça e dar adeus ao povo? Além de ser uma obra muito mal feita, com paredes tortas, fora do prumo, vigas tortas e que se fosse analisada por engenheiros competentes, ela seria era derrubada... Mais uma vergonha pro povo de Queimadas e que os vereadores se calam - como sempre!


Queimadas Bahia: alunos das turmas de sétimo ano do Colégio Sônia Maria Silva realizam ação solidária


Amor na prática. Foi isto que os estudantes das turmas 7º ano A, B e C do Colégio Sônia Silva, tiveram na manhã desta quinta-feira, 13. Eles trocaram o tradicional “descanso” por uma ação solidária nos diversos bairros periféricos de Queimadas. A ideia partiu da professora de Português ao trabalhar o Projeto Vivendo Valores que todos os anos é desenvolvido na referida escola, que segundo o diretor a instituição José Renato Santana “tem como objetivo transmitir valores como autoestima, paz, respeito às diferenças, amor ao próximo, amizade e solidariedade, visando contribuir na formação do caráter do aluno.”



“Vi nessa ação a chance dos alunos vivenciarem a solidariedade e a prática cidadã. São temas que foram abordados com os alunos ao longo deste mês então, percebemos que seria uma ótima oportunidade envolver os estudantes em uma ação como esta”, disse a professora Renata Pedreira. “É uma forma de se colocar no lugar do outro. Com certeza, esta passagem da nossa vida ficará marcada de forma positiva”, contou o estudante Felipe Gabriel Reis de 12 anos. O vice-diretor que acompanhou a ação achou a iniciativa da professora e dos estudantes fantástica, pois cria uma interação salutar entre os envolvidos. “Fiquei emocionado com a atitude da turma. Esta interação entre estes dois universos é muito positiva, para todos os lados. É uma forma de estreitar laços e acabar com qualquer tipo de discriminação”. Ascom Colégio Sônia Silva


Abuso sexual: Homem é preso acusado de estuprar três enteadas na Bahia; mais nova engravidou

Vítimas hoje têm 15, 16 e 19 anos | Foto: Divulgação/ Polícia Civil

Policiais da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), de Porto Seguro, município no extremo sul da Bahia, prenderam, nesta quarta-feira (12), um homem identificado como José Roberto da Conceição Farias, acusado de estuprar as três enteadas. Segundo a Polícia Civil, as garotas disseram que os abusos começaram em 2012, primeiramente com a mais velha, que hoje tem 19 anos. Em outubro do ano passado, a mais nova, hoje com 15 anos, foi abusada e acabou grávida, situação que foi escondida da mãe, até fevereiro deste ano. Conforme a polícia, exames realizados na vítima confirmaram a gravidez. Outra enteada, hoje com 16 anos, também teria sido abusada pelo padrasto. Ainda de acordo com a Polícia Civil, após as denúncias, o homem passou a ameaçar as enteadas, o que teve como consequência o seu pedido de prisão. José Roberto foi encaminhado ao sistema prisional e está à disposição da Justiça.

Violência na Bahia: Comerciante é agredido com facadas em quiosque na zona rural de Queimadas

Comerciante foi atingido por golpes de faca em um dos dedos da mão e no peito | Foto: Notícias de Santaluz

O comerciante Darlon Oliveira da Silva, de 32 anos, foi vítima de uma tentativa de homicídio por volta das 19h30 desta quinta-feira (13), no distrito de Riacho da Onça, zona rural do município de Queimadas. A vítima, que é dono de um quiosque localizado em uma praça da comunidade, disse que estava no estabelecimento quando um homem identificado como Pedro Paulo Teixeira Santos chegou ao local e efetuou golpes de faca contra ele. O comerciante foi atingido em um dos dedos da mão e no peito. Darlon foi encaminhado para o hospital do município, onde foi medicado e liberado por volta das 21h40. A Vítima diz que conhece o agressor, mas desconhece o motivo do ataque. Policiais militares estiveram no hospital e pediram a descrição do acusado para fazer buscas. O homem que, segundo a vítima, fugiu após cometer o crime, não havia sido localizado até a publicação desta reportagem. Notícias de Santaluz

Bahia: Polícia Civil de Mairi deflagra "Operação Santa Lei"


Na manhã desta quinta-feira, 13 de abril de 2017, foi realizada a "Operação Santa Lei", na cidade de Mairi-BA, visando combater o tráfico de drogas. A operação iniciou-se quando a polícia passou a receber informações de pessoas do povo de que, em algumas localidades da cidade estava ocorrendo o tráfico de substancia entorpecente (maconha, crack e cocaína). Os denunciantes indicavam quem eram as pessoas e os locais onde ocorriam o tráfico. Diante das denúncias, foi instaurado o inquérito policial e expedida ordem de missão para que o investigador Iulo Almeida promovesse as investigações e apresentasse o relatório do que foi apurado. Através do relatório, o investigador confirma o que foi dito nas denúncias e a autoridade policial, delegado Zennon Almeida, representou perante a Vara Criminal pela busca domiciliar. Foram expedidos os mandados de busca da Vara Criminal. A operação foi deflagrada pela Polícia Civil de Mairi, com apoio dos policiais da Coordenadoria de Jacobina, sob o comando de Dr. Eduardo Brito, coordenador regional. Foram presas algumas pessoas, apreendida maconha, cocaína, crack, arma de fogo, veículo com restrição de roubo, balanças de precisão, máscaras, toucas brucutu e roupas camufladas. O delegado Zennon Almeida disse que o trabalho de investigação visando combater o crime vai continuar e outras operações serão realizadas. Da redação do Blog Agmar Rios Com informações da delegacia.



Bahia: Preso foragido que roubou pelo menos cinco bancos no interior do estado


Integrante de uma quadrilha de assaltantes de banco suspeita de atacar agências bancárias em pelo menos cinco cidades do interior, Fagner Seixas Pereira, o Rato, foi preso, nesta terça-feira (11), por equipes da 4ª Delegacia Territorial (DT), de São Caetano. Fagner estava com um mandado de prisão em aberto depois de ter se evadido da Colônia Penal Lafayete Coutinho, onde cumpria sete anos de prisão por furto. O delegado Nilton Tormes, titular da 4ª DT/São Caetano, informou que Rato foi flagrado pela equipe da sua unidade a bordo de uma Saveiro, placa OLE - 0607, na região do Largo do Retiro. “Estamos monitorando constantemente a movimentação de envolvidos em diversas modalidades criminosas na área da delegacia e hoje conseguimos localizar Rato, que é assaltante de bancos”, explicou Tormes. A polícia apurou que a quadrilha de Fagner é investigada pelos ataques às agências bancárias em cidades como Santanópolis, Ubatã, Ibiratáia e Irará. Depois de ter o mandado de prisão preventiva cumprido, pelo delegado Nilton Tormes, Rato vai retornar ao sistema prisional. CDP

Corrupção e poder: A República da Odebrecht

Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo: “Essa questão de eu ser um grande doador é o quê? No fundo, é abrir portas. Tudo o que eu pedia gerava uma expectativa enorme de retorno” (Reprodução/VEJA)

Com um propinoduto oceânico, a empreiteira comprou as cúpulas do governo, do Congresso e dos principais Estados – um verdadeiro poder paralelo


É espantoso: o Brasil vivia sob um cleptocracia cujas dimensões só agora começam a ser reveladas com nitidez – e o susto é generalizado. De tudo o que veio a público ao longo da semana passada, salta aos olhos que a República Federativa do Brasil talvez pudesse ser chamada de República Federativa da Odebrecht. A empreiteira, que cresceu inigualáveis 520% em dez anos antes da Lava-Jato, superando multinacionais como a Microsoft, literalmente comprou a cúpula do governo, a cúpula da Câmara, a cúpula do Senado e a cúpula dos principais governos estaduais. Comprou, à base de propinas ou dinheiro clandestino para campanhas, o poder nacional. Ao depor sobre o esquema, o empresário Emílio Odebrecht disse o seguinte: “A recente história do capitalismo brasileiro, desenvolvido ao longo das mesmas décadas nas quais a Odebrecht nasceu e se desenvolveu, nos mostra que essa interação entre o poder público e os agentes privados só foi possível porque as duas partes aceitaram jogar o mesmo jogo.” E que jogo! Nele, tudo podia ser comprado e vendido. Por Daniel Pereira/Veja


"Amigo": Sentimento reinante no PT é de que Lula será preso em breve

(Reprodução/VEJA)

Balde de água fria no partido


A revelação de que a Odebrecht matinha uma poupança milionária para Lula trouxe ao PT a mesma percepção de 9 em cada dez brasileiros: sem foro privilegiado e no alvo de Sérgio Moro, a prisão de ex-presidente virou uma questão de tempo. A cúpula do partido viu na divulgação dos vídeos um petardo na imagem de Lula, justamente no momento em que a Lava Jato partia com tudo para cima das traficâncias tucanas.
Por Gabriel Mascarenhas/Veja

A morte da estudante: O jogo da baleia azul e a tragédia de Maria de Fátima

Maria de Fátima da Silva Oliveira, de 16 anos, que morreu ao participar do jogo Baleia Azul na internet, em Cuiabá (MT) (//Reprodução)

Delegado vê indícios de que jovem de 16 anos se envolveu no desafio Baleia Azul, lista de tarefas diárias que inclui automutilação e morte do participante 


A morte da estudante Maria de Fátima da Silva Oliveira, de 16 anos, que morava em Vila Rica, uma pequena cidade a 1.270 km de Cuiabá (MT), lançou luz sobre uma brincadeira que está preocupando os pais: o desafio da Baleia Azul (ou Blue Whale). Trata-se de um suposto jogo de incentivo ao suicídio, que teve origem nas redes sociais russas, em que adolescentes são previamente selecionados para participar de um desafio de 50 dias, cumprindo tarefas diárias que incluem automutilação, sendo a última delas a morte. Para se ter uma ideia da proporção da brincadeira, só no YouTube são mais de 25 mil vídeos sobre o jogo Baleia Azul. No Facebook há dezenas de grupos fechados sobre o assunto, alguns em português e outros em inglês. Há links de convites para as pessoas entrarem em grupos de WhatsApp. Tudo num mundo paralelo aos olhos dos pais. Maria de Fátima foi encontrada morta na terça-feira (11) dentro de uma represa no bairro Inconfidentes, na região central da cidade. Saiu de casa sozinha, vestindo apenas a roupa do corpo, por volta das 3h15, enquanto pais e irmãos dormiam. Deixou o celular em cima da cama (bloqueado com senha), não levou dinheiro. Antes de entrar na represa para o mergulho sem volta, deixou os chinelos na beira. A Polícia Civil da cidade abriu inquérito para investigar se a morte da menina está, de fato, relacionada ao jogo que tem tirado o sono de pais de adolescentes nas últimas semanas. De acordo com o delegado André Rigonato, responsável pela investigação, nenhuma hipótese está descartada, mas há fortes indícios de que a jovem tenha se envolvido nesse jogo: ela deixou duas cartas onde falava sobre as regras e a cronologia das ações a serem cumpridas e também apresentava alguns cortes nos braços e coxas. “A investigação ainda está no começo. Foi feita a perícia no local e solicitamos exames necroscópico e toxicológico para atestar a causa da morte, para saber se ela não usou nenhum medicamento ou alguma substância. Apreendemos as cartas para análise e o celular da jovem. Pela dinâmica do caso, a princípio, tudo indica que se trata de suicídio”, afirmou. De acordo com Rigonato, ao menos dois grupos de WhatsApp da cidade estão sendo monitorados pela polícia para tentar identificar quem seriam os “curadores” da brincadeira. Induzir, instigar ou auxiliar o suicídio é crime, com pena prevista de dois a seis anos de prisão. Além disso, a Polícia Militar está preparando uma série de palestras educativas que serão ministradas nas escolas da cidade a partir da semana que vem. O objetivo é orientar os pais e professores a observarem os sinais e prevenir que outros casos aconteçam.

Os sinais 

 Mônica Strege Médici, professora de ciências e biologia na escola onde Maria de Fátima estudava, disse que a jovem era uma aluna excelente e raramente tirava notas abaixo de 8. “Sem dúvidas, era uma das melhores alunas da turma. Adorava a disciplina e fazia sempre as tarefas”, diz a professora. As amigas de sala, que pediram para não se identificar, contam que ela costumava ser extrovertida, sorridente e brincalhona, mas que vinha mudando o comportamento desde o final do ano passado. “Ela estava mais introvertida, não sorria mais, não saía da sala de aula na hora do intervalo. Não queria mais conversar, ficava só no mundinho dela. Uma vez chegou a dizer que a vida não tinha mais sentido algum”, diz K.S., de 16 anos. “Ela nunca foi superficial, sem dúvida, era das mais inteligentes. De repente, começou a ficar calada. Estamos em choque”, afirmou J.M., outra amiga. Dentro de casa também havia sinais de que algo estava errado. Segundo Antônia Carlos da Silva, de 39 anos, mãe de Maria de Fátima, a jovem tinha alguns cortes nos braços e nas coxas há cerca de dois meses. Além disso, a mãe chegou a encontrar um papel em que a estudante havia escrito com a própria letra regras a serem cumpridas, como “abrace os seus pais e diga a eles que os ama”, “peça desculpas”, “tire a sua vida”. O documento está com a polícia. Antônia disse que em nenhum lugar do papel havia referência ao jogo Baleia Azul, mas disse que tinha uma cronologia a ser seguida. Assustada, ela chamou a filha para conversar sobre o assunto. “Perguntei o que era aquilo e ela me respondeu que não era nada. Que era uma bobagem. Disse: ‘você acha que vou me matar, mãe?’”, conta Antônia. “Perguntei se ela precisava de ajuda e ela disse que não. Na hora, eu preferi acreditar nela. Aquilo não podia estar acontecendo comigo”, diz a mãe. Uma semana se passou e Antônia continuava aflita, preocupada com a filha, que não dormia mais direito e passava as noites acordada com o celular e o fone de ouvido. Mas não sabia o que fazer. Na noite de segunda-feira (10), Antônia dormiu antes das 22h. A filha estava no quarto, no celular. Paula, a irmã mais velha que dividia o quarto com Maria de Fátima, também foi dormir. Acordou às 3h04 para desligar o ventilador. A irmã estava lá ainda, deitada, mas acordada. Paula voltou a dormir, mas acordou novamente às 3h38, quando o celular tremeu com uma mensagem de texto da operadora. Ao olhar para o lado, viu que Maria de Fátima não estava mais na cama.

Postagem feita pela adolescente Maria de Fátima da Silva Oliveira, encontrada morta em represa: ‘última foto’ (Reprodução/Reprodução)


Antônia foi acordada na madrugada pela filha mais velha, que avisou que a irmã tinha fugido. “Não sei te explicar, mas naquela hora eu pulei da cama e meu coração de mãe me disse que minha filha estava morta.” A família saiu de madrugada em busca da menina, mas não a encontrou. Procurou a polícia, os amigos da escola, o namorado, o Conselho Tutelar. À polícia o namorado disse que na noite de segunda, por volta das 22h, Maria de Fátima tinha dito que “morreria afogada”, mas ele não teria percebido que isso era um sinal. Ainda na segunda-feira, às 18h15, Maria de Fátima desbloqueou a irmã de uma rede social e mandou para ela o áudio da música Trem Bala, de Ana Vilela. Em um dos trechos a música diz: “Segura teu filho no colo, sorria e abraça os teus pais enquanto estão aqui, que a vida é trem bala, parceiro, e a gente é só passageiro prestes a partir”. Cinco dias antes, ela postou uma foto em uma rede social com a legenda “última foto” ao lado de um emoticon chorando. “Eu só quero que outros pais não passem pela dor que estou passando. Que não chorem o que estou chorando. Precisamos estar mais presentes na vida dos nossos filhos. Eu quero que o caso da minha filha sirva de alerta, pois outros jovens podem estar envolvidos nisso”, disse a mãe.

Aumento de casos 

Segundo o psiquiatra Daniel Martins de Barros, coordenador médico do Núcleo de Psiquiatria Forense e Psicologia Jurídica do Instituto de Psiquiatria da USP, o número de suicídios em jovens está aumentando em todo o mundo e ninguém ainda sabe explicar a razão. Em 90% dos casos, diz, a pessoa tinha algum tipo de transtorno mental, principalmente depressão. Para ele, o suposto jogo Baleia Azul é apenas o pano de fundo para um cenário de aumento de casos de suicídio entre jovens que se repete há anos. “Há seis meses, o jogo do momento era o da asfixia. Agora é o da Baleia Azul. Daqui a um tempo terá um novo. Não estou dizendo que o jogo não existe, mas esquece o jogo. A questão aqui é: o que vamos fazer para evitar? Esse é o ponto”, afirmou. Para Barros, o “pânico moral” criado em torno do suposto jogo reflete os medos dos próprios adultos. “Esse pânico fala sobre nós, os pais. É o gap [lacuna] geracional. Todo adulto sabe que não está dando a devida atenção para o jovem. E isso demonstra a dificuldade que os pais têm de entrar no universo do filho”, diz. Segundo Barros, casos como esse chamam a atenção para a necessidade urgente de os pais saberem identificar os sinais e buscar ajuda quando necessário. “Temos que quebrar o tabu da depressão. Depressão é uma doença, como catapora, como pneumonia. Ao perceberem sinais de mudança de comportamento nos filhos, busquem ajuda e evitem o sofrimento. A depressão é tratável e curável.”

Por Fernanda Bassette/Veja


Lula em apuros: nunca a prisão esteve tão perto

Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente (PT): será investigado em seis procedimentos no STF e na Justiça Federal do Paraná (Jefferson Coppola/VEJA)


A delação do fim do mundo bateu em quatro ex-presidentes, mas o envolvimento com o propinoduto da Odebrecht é devastador e incomparável no caso de Lula


Com os presidentes da República, a relação da Odebrecht tinha uma natureza especial – era a partir da proximidade com eles, afinal, que os negócios se desenvolviam com maior ou menor grau de sucesso. Não por acaso, seis dos presidentes do Brasil desde a redemocratização foram lembrados nos depoimentos prestados na delação do fim do mundo. Uns mais, outros menos. O caso de Lula é, sem dúvida, o mais constrangedor. Se os executivos da Odebrecht contaram a verdade, o petista foi capturado pela empreiteira. Se o que Marcelo Odebrecht disse for confirmado, Lula pode vir a ostentar o título de presidente mais corrupto da história – um mandatário que se submetia ao papel de marionete nas mãos de empresários e, em contrapartida, se locupletava do poder com dinheiro oriundo de esquemas de corrupção. O Lula que emerge das delações é um político pequeno, que não hesita em receber favores e presentes de empresários, inescrupuloso e capaz de ações ousadas quando o problema envolve poder e dinheiro. As seis petições contra Lula enviadas pelo ministro Edson Fachin à primeira instância (leia-se juiz Sergio Moro) encorpam uma ficha extensa: Lula é réu em cinco processos, acusado de ter praticado os crimes de lavagem de dinheiro (211 vezes), corrupção passiva (dezessete vezes) e tráfico de influência (quatro vezes), além de organização criminosa e obstrução da Justiça. No próximo 3 de maio, Lula vai prestar depoimento a Moro, no primeiro encontro frente a frente entre os dois. A prisão preventiva é um risco cada vez mais real. Caso ela ocorra, o ex-presidente e o PT já têm um plano para transformar a eventual prisão em um espetacular ato político destinado a incendiar a militância.
Por Rodrigo Rangel/Veja

Poderoso Lulão, Redução de Velocidade, Legalização no Canadá e Fim do BBB



Programa Primeiro Emprego procura jovens em Senhor do Bonfim, Juazeiro e mais 10 municípios baianos



O Programa Primeiro Emprego divulgou mais 12 municípios baianos em que os jovens convocados não foram localizados para ocuparem postos de trabalho. As vagas devem ser preenchidas de acordo com um ranking feito pela Secretaria da Educação do Estado que contempla os formandos com maiores notas da rede estadual de Educação Profissional desde 2015.
Os novos municípios da lista são ItororóCamaçariSantaluzJuazeiroSerrinhaGuanambiCatuConceição do JacuípeIbotiramaPaulo Afonso e Senhor do Bonfim. Os convocados devem ir ao Sinebahia mais próximo com RG, Carteira de Trabalho e comprovante de residência.
O programa pretende oferecer a primeira oportunidade de emprego para nove mil jovens. São 4,5 mil vagas entre novembro de 2016 a novembro de 2017 e 4,5 entre novembro de 2017 a novembro de 2018. As vagas são direcionadas para secretarias e órgãos do governo estadual ou empresas públicas e privadas, parceiras do programa. Mais informações estão disponíveis no site do Primeiro Emprego.

Fazer o bem: Empresário constrói casas no interior da Bahia por conta própria e doa a famílias carentes


O empresário da cidade de Ibotirama, no oeste da Bahia, Edilson Leite, se inspirou no quadro “Lar Doce Lar”, do programa do Caldeirão do Huck, programa da TV Globo, para construir casas por conta própria e doar para famílias de baixa renda. Ao longo de dez anos, ele já entregou 31 imóveis. Ele recebe cartas de pessoas, avalia a situação das famílias e escolhe três delas por ano para fazer a doação. “O que tocou meu coração foi o agradecimento a Deus por tudo que tem feito por mim e por minha família. Pensei que tinha que fazer alguma coisa”, conta Edilson. A ideia de ajudar quem precisa com a doação de casas foi da mulher dele, Simone Leite, que é fã do apresentador Luciano Huck e do quadro do programa. “Ele ficou todo entusiasmado”, lembra Simone. Entre muitas cartas que passou a receber de famílias carentes, Edilson encontrou há dois anos a da dona de casa Poliana Silva. Desempregada, mãe de dois meninos, e na época, grávida de nove meses da filha mais nova, ela conta que morava em uma casa de barro. 



Na antiga casa, ela tinha medo da chuva e agora encontra motivo para seguir em frente. “Chovia bastante, a minha casa molhava toda. Às vezes, eu acordava de madrugada para tirar meus filhos de um canto e botar no outro. Às vezes, eu ficava a noite toda acordada para proteger meus filhos da chuva. Só tenho agradecer a Deus e a ele”, comemora. Edilson também ajudou a família da menina Cauane, que tem nove anos e nasceu com paralisia cerebral. A mãe dela, a dona de casa Érica Alves, procurou o empresário para pedir blocos de construção e acabou ganhando uma casa inteira. O imóvel onde Érica mora com os filhos tem dois quartos, banheiro sala e cozinha tipo americana. “Não tenho inveja da casa de ninguém. A minha é maravilhosa. Foi Deus e Edilson que me deram. Agradeço porque se não fosse ele eu nunca teria”, acredita. (Com informações do G1/BA) Fotos reprodução TV Bahia


O HOMEM DO EX-PRESIDENTE: A conta secreta de Lula

O HOMEM DE LULA Marcelo Odebrecht disse que Palocci administrava os valores de propinas de Lula na empreiteira


A condenação de Lula em primeira instância, agora, é uma questão de tempo


A Odebrecht mantinha uma conta com saldo de R$ 40 milhões no “departamento de propinas” da empreiteira para atender as demandas do ex-presidente Lula. Quem administrava essa conta secreta de Lula era o ex-ministro Antonio Palocci


Desde que foi presidente da República, e mesmo depois que deixou a presidência em 2010, Lula levava vida de milionário. Quando precisava de dinheiro, pedia para o ex-ministro Antonio Palocci ir a seu banco particular, o banco de propinas da empreiteira Odebrecht, e sacava os valores em dinheiro vivo. Identificado como “amigo” (em função de sua amizade com o patriarca da companhia Emilio Odebrecht), Lula tinha uma conta corrente no Setor de Operações Estruturadas, ou “departamento de propinas” da companhia, onde chegou a ter um saldo de R$ 40 milhões. Esse dinheiro foi disponibilizado pela empreiteira para “atender as demandas de Lula”, como disse Marcelo Odebrecht na última segunda-feira 10, em depoimento ao juiz Sergio Moro. O único autorizado por Lula a sacar o dinheiro era Palocci, que usava o codinome de “Italiano” no banco de propinas da maior construtora do País. Às vezes, “Italiano” telefonava a Marcelo e dizia que quem ia buscar o dinheiro para Lula era Branislav Kontic, o Brani, braço direito de Palocci nas roubalheiras de propinas geradas em obras públicas. Brani sacou R$ 13 milhões em dinheiro vivo para Lula de 2012 a 2013. A existência dessa conta secreta de Lula no departamento de propinas da Odebrecht foi detalhada ao juiz Sergio Moro com a maior naturalidade pelo executivo baiano, preso na Carceragem da Polícia Federal de Curitiba desde julho de 2015 e que fez delação premiada para deixar a cadeia em breve. “A gente botou R$ 40 milhões para atender as demandas que viessem de Lula. Veja bem: o Lula nunca me pediu diretamente. Eu combinei via Palocci. Óbvio, ao longo dos usos, ficou claro que era realmente para Lula. O Palocci me pedia para descontar (os saques) do saldo da conta ‘amigo’”, disse Marcelo Odebrecht ao juiz Moro. Em 2014, por exemplo, Brani sacou outros R$ 4 milhões para o Instituto Lula e esse dinheiro foi abatido da conta “amigo”. A partir de 2011, as contas petistas na empreiteira passaram a ser administradas pelo então ministro da Fazenda no governo Dilma, Guido Mantega, o “Pós-Itália”.


A conta “amigo” segundo Marcelo, destinada ao ex-presidente, consta de uma planilha do “departamento de propinas” pilotada pelo ex-ministro Palocci e que chegou a ter um saldo de R$ 200 milhões em 31 de julho de 2012. Desse dinheiro, R$ 79 milhões pertenciam a “italiano”, “amigo” e “pós-Itália”.“Tudo o que eu acertava de propinas para Lula, para o PT ou para candidatos do PT, era de conhecimento de Palocci”, disse Marcelo. O ex-ministro da Fazenda é acusado de ter recebido R$ 128 milhões da Odebrecht para repassar aos petistas e até pagar contas de campanha para o publicitário João Santana.

CONFISSÕES O juiz Sergio Moro ouviu, durante quase 3h, as revelações de Marcelo Odebrecht que implicaram Lula


Negociata de R$ 50 milhões 

 A grande bolada que o PT arrancou em propinas da Odebrecht de uma só vez foi resultado de uma negociata entre a Braskem, empresa do grupo, e o ministro Guido Mantega, em 2009. Segundo Marcelo disse a Moro, a empresa tinha um “passivo monstruoso” em IPI com o governo e “corria o risco de quebrar”. “Eu procurei Palocci, que era meu interlocutor no governo e ele me introduziu ao ministro Guido (Mantega). Acertamos que o governo iria gerar uma Medida Provisória para beneficiar as empresas com débitos de IPI, especialmente a Braskem. Nessa negociação, Guido escreveu num papel o valor de R$ 50 milhões. Era para a campanha de 2010 (de Dilma). Nós concordamos em pagar”, disse Marcelo. Esse dinheiro ficou como crédito na planilha “Italiano”. “Palocci tinha conhecimento de tudo”. Os R$ 50 milhões acabaram não sendo usados por Dilma em 2010 e ficaram disponíveis para o PT no departamento de propinas até 2014, quando o partido usou na campanha da reeleição de Dilma. A insaciável gana do PT por propinas era tanta, que antes das eleições de 2010, o ex-presidente Lula mandou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, procurar Marcelo Odebrecht, pedindo outros R$ 40 milhões. Em contrapartida, o governo, por meio do BNDES, liberaria uma linha de crédito para a companhia usar em seus negócios em Angola. “Fui checar e já tínhamos contratado R$ 600 milhões para Angola e só precisávamos da linha de crédito. Vi que dava para colocar esses R$ 40 milhões dentro do custo da obra e aceitei pagar a propina pedida pelo Paulo Bernardo. O Guido não se envolveu nisso, mas o Palocci tinha ciência de tudo. Só expliquei que como tínhamos uma taxa para geração desse dinheiro, tínhamos que reduzir o valor para R$ 36 milhões, que convertido para reais deu R$ 64 milhões”. Marcelo explicou que, no caso do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), Guido Mantega lhe pediu “um adicional” de R$ 50 milhões. Além disso, o PT lhe pediu também propinas na construção das hidrelétricas de Belo Monte e Santo Antonio. Ele informou que o partido procurou o executivo Henrique Valadares (presidente da Odebrecht Energia), para o recebimento de propinas nas obras das hidrelétricas, mas a empresa não quis pagar. “Eu procurei o Palocci e disse: não adianta vocês procurarem um executivo da empresa. O que eu acerto com vocês está na planilha”.

A voracidade petista 

 Ele disse que “todos os pagamentos da empresa eram feitos mediante autorização de Palocci”. Em 2009, ano que não teve campanha eleitoral, Palocci telefonou para Marcelo e disse que precisava de R$ 10 milhões em espécie. “Vai passar aí para sacar o dinheiro o Juscelino Dourado (conhecido por JD)”. Juscelino foi o antecessor de Brani nos saques nas contas do “departamento de propinas” da Odebrecht. O PT sacava tanto dinheiro que Marcelo chegou a reclamar. “Eu falei para o meu pai (Emilio Odebrecht): Avisa o Lula que ele não vai ter dinheiro para 2010 se a gente gastar tudo antes”. Mas na campanha de 2010, o dinheiro continuou jorrando na campanha de Dilma. Em julho, agosto e setembro, a companhia deu R$ 20 milhões para a campanha petista, “com autorização de Palocci”, como lembra Marcelo. Desse total, R$ 16 milhões era caixa dois e R$ 4 milhões em forma de bônus eleitoral, devidamente registrado na Justiça Eleitoral. “Muitos candidatos me procuravam mas eu explicava que tinha que ter aprovação de Palocci. Eu dizia: pede para o Palocci. Se ele autorizar, tudo bem”. Mas depois da eleição de Dilma, Marcelo foi procurado por Paulo Okamoto (diretor do Instituto Lula), José Carlos Bumlai (fazendeiro amigo do peito de Lula) e Roberto Teixeira (advogado de Lula). Eles pediram que a Odebrecht comprasse um terreno para a instalação da nova sede do Instituto Lula (IL). O local já tinha sido escolhido por Roberto Teixeira. “Fui ao Palocci e disse que havia essa demanda para o IL. Ele aprovou”, disse Marcelo. O empreiteiro, então, comprou o terreno na Vila Mariana por R$ 12,4 milhões, por meio da empresa DAG Construtora, uma empresa laranja da Odebrecht. “O problema é que depois eles desistiram do negócio (Lula e dona Marisa não gostaram do local). Então, vendemos o terreno e adicionamos o valor como crédito na conta “amigo”. Em 2014, a empreiteira deu outros R$ 4 milhões para o Instituto Lula, acertados via Alexandrino Alencar, ex-diretor da empresa e amigo de Lula. Esse valor também foi abatido do saldo “amigo”, com explicou Marcelo, sempre com a aval de Palocci. “Ele sempre foi nosso interlocutor no governo do PT e a nossa relação com Lula passava por Palocci”.

Como Palocci enriqueceu 

Palocci virou homem de confiança de Lula em 2002, ao tornar-se coordenador da campanha presidencial, após o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel. Com a eleição de Lula, Palocci largou a prefeitura de Ribeirão Preto e assumiu o Ministério da Fazenda. Logo, virou eminência parda de Lula. Comentava-se que poderia ser candidato a presidente, na sucessão de Lula, mas ele quebrou o sigilo das contas do caseiro Francenildo Costa e jogou por terra o sonho presidencial. De qualquer forma, usou a passagem pelo governo para enriquecer. Em 2006 montou a empresa de consultoria Projeto e ficou milionário. Calcula-se que tenha mais de R$ 200 milhões. Quando começou na política, era um médico modesto. No início dos anos 2000, tinha um patrimônio de R$ 295 mil e um saldo de R$ 2.300 no Banco do Brasil. Ao ser preso pelo juiz Sergio Moro, no final do ano passado, tinha um apartamento nos Jardins no valor de R$ 13 milhões e um escritório de R$ 2 milhões. Em suas contas bancárias, tinha R$ 30,8 milhões. O dinheiro foi confiscado por Moro e hoje Palocci mofa na cadeia, à espera do amigo Lula.

Delação de Marcelo Odebrecht, sobre a conta “Amigo” 

“A gente botou R$ 40 milhões para uso do Lula”

 “Tinha um saldo de uns R$ 40 milhões. Aí o que eu combinei com o Palocci, essa era uma relação minha com a presidência do PT no Brasil. Vai mudar o governo, vai entrar a Dilma, esse saldo passa a ser gerido por ela, a pedido dela” “A gente sabia que ia ter demanda de Lula, na questão do Instituto, para outras coisas. Vamos pegar e provisionar uma parte deste saldo. Botamos R$ 35 milhões no saldo ‘Amigo’, para uso que fosse de orientação de Lula” “A gente entendia que Lula ainda ia ter influência no PT, como era uma relação nossa com a presidência, PT, tudo se misturava” “A gente botou R$ 40 milhões que viriam para atender demandas que viessem de Lula. Eu sei disso. O Lula nunca pediu diretamente. Eu combinei via Palocci. (…) Ao longo de alguns usos ficou claro que era para o Lula”


Fonte: Istoé Independente/por: Germano Oliveira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Google+ Followers